Liderança e Pessoas

Inspire-se em 6 figuras importantes para ter liderança de sucesso

nelson-mandela-wallpapers-thumb-800x406-50652

A liderança é uma das características essenciais que um gestor precisa ter para desempenhar bem seu papel. Mas, ao contrário do que você pode imaginar, você não nasce com a habilidade de ser um líder de sucesso.

A liderança é aprendida, seja através de treinamentos ou até mesmo observando bons exemplos. Nesse artigo, você conhecerá seis personalidades importantes e as três principais lições de liderança que cada uma delas tem a nos ensinar. Vamos lá?

1. Sam Walton

Samuel Moore Walton, mais conhecido como Sam Walton, é um grande exemplo de liderança. Talvez, pelo nome, você já esteja imaginando o que ele fez. Walton fundou a maior rede de lojas varejistas do mundo, o Wal-Mart.

Sam nasceu em Oklahoma, nos EUA, em 1918. Ele viveu com sua família em uma fazenda até os cinco anos de idade, mas a situação era difícil e seu pai teve de hipotecar a propriedade. Então, a família passou a se mudar de cidade em cidade durante vários anos. Nesse período, Sam tornou-se escoteiro, e chegou a receber prêmios especiais por seu desempenho.

Depois do ensino médio, ele foi para a Universidade do Missouri, onde se juntou a vários grupos estudantis, inclusive a fraternidade Beta Theta Pi e a sociedade secreta do campus, a QEBH. Então, quando se formou em economia, no ano de 1940, ele já tinha sido eleito “presidente permanente” da turma. Foi então que Sam começou, de fato, sua carreira.

Ele começou trabalhando trainee na gerência de uma loja de departamentos, a J. C. Penney, apenas três dias depois de se formar. Com 26 anos, ele assumiu a gestão de sua primeira loja – que comprou com a ajuda de um empréstimo do sogro.

Depois de ingressar neste ramo, ele continuou comprando, gerindo e vendendo lojas, até abrir o primeiro Wal-Mart, em 02 de Julho de 1962. Em 1977, a rede já tinha 190 lojas. Em 1985, eram 800 lojas no total.

3 lições de liderança de Sam Walton

Siga valores fundamentais

Ao longo de sua vida, Sam Walton seguiu valores fundamentais que aprendeu desde criança, no âmbito pessoal e profissional. Apesar de ter inovado bastante, ele não estava simplesmente seguindo a última moda de gestão.

Valores como comprometimento eram essenciais para ele. São princípios simples, que existem há milhares de anos. Mesmo assim, eles permanecem verdadeiros. E, se você seguir esta verdade, sua equipe também seguirá.

Siga suas paixões com um propósito de ser cada vez melhor

Quando começou a trabalhar com o varejo, Sam Walton não tinha a intenção de se tornar rico rapidamente, mas era muito clara sua paixão pelo negócio. Ele estava sempre buscando maneiras de melhorar o serviço que oferecia a seus clientes.

Nesta intenção, Sam acabou desenvolvendo conceitos que foram essenciais para o sucesso do seu negócio, como a ideia de repor os produtos nas prateleiras constantemente e a ênfase na logística, posicionando todas as suas lojas a, no máximo, um dia de distância dos armazéns. A paixão de Sam se espalhou e se tornou a pedra fundamental da Wal-Mart.

Promova a autoestima da sua equipe

Para Sam Walton, o líder precisava acreditar na sua equipe e ajudá-la a acreditar em si mesma também. Isso se traduz em muitas ações do dia a dia, como a capacidade de delegar tarefas e responsabilidades aos funcionários.

Muitos gestores não conseguem delegar porque não acreditam completamente na capacidade de sua equipe para atingir os resultados desejados. Como consequência, a equipe nunca se desenvolve, nenhuma nova liderança emerge, e a sua própria autoridade perante o grupo fica abalada.

2. Steve Jobs

Co-fundador da Apple, Steve Jobs não requer muitas apresentações. Ele já era considerado uma grande celebridade antes de seu falecimento, em 2011. Depois de sua morte, vários livros foram lançados – tanto biografias quanto livros analisando seu comportamento como líder e gestor. Além disso, até filmes foram produzidos, colocando a história de Jobs dentro da Apple como enredo central.

Jobs criou e levou ao sucesso uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, nos segmentos de computadores, tablets e smartphones. Além disso, ele também assumiu um papel importante ao posicionar os estúdios Pixar como um dos maiores nomes do cinema de animação, encabeçando o desenvolvimento de projetos como Toy story e Vida de inseto.

Steve Jobs chegou a ser afastado da direção da Apple durante doze anos, entre 1985 e 1997, empresa que ele mesmo ajudou a fundar. Então, foi trazido de volta e reassumiu definitivamente o cargo de CEO. Entre 1997 e 2011, lançou produtos que revolucionaram o mercado, como o iPod, iPhone e, finalmente, o iPad. Além da visão, seu carisma para conquistar o público também é visto como crucial para o sucesso da empresa.

3 lições de liderança de Steve Jobs

Busque a simplicidade

Steve Jobs era conhecido por sua obsessão e habilidade para simplificar tudo. Ele buscava encontrar a essência e eliminar todos os componentes desnecessários. Essa preocupação, que provavelmente apareceu graças às aulas de design que ele assistiu enquanto estava no campus do Aspen Institute, levou os produtos da Apple a terem a aparência atual: limpa, minimalista. Jobs não ignorava a complexidade, mas a vencia.

Assuma a responsabilidade do começo ao fim

Por causa do seu desejo de simplicidade, Jobs percebeu que a melhor maneira de atingir este objetivo era fazer com que a Apple assumisse a responsabilidade pela produção de seus aparelhos do começo ao fim. Dessa forma, a empresa podia ter total controle sobre a experiência que seus usuários iriam ter ao utilizar um iPhone, por exemplo.

Jobs também era contra a possibilidade de integrar aparelhos de diferentes marcas, uma preocupação para alguns dos seus concorrentes. Ele queria que um usuário da Apple utilizasse todos os produtos da sua marca.

Não apenas avance, salte!

Para Jobs, uma empresa inovadora não pode simplesmente avançar regularmente. É preciso saber dar um salto sobre a concorrência, quando você está ficando para trás. Por isso, em diversos momentos, ele mesmo criou um produto que iria “comer” as vendas de outro aparelho da Apple. Era um sacrifício necessário para manter a empresa à frente. Isso aconteceu com o iPhone, que canibalizou as vendas do iPod.

3. Bill Gates

Uma lista de líderes ilustres que contenha o nome de Steve Jobs não pode deixar de lado seu nêmesis Bill Gates. O fundador da Microsoft, que divide com a Apple o título de maior empresa do segmento de tecnologia do mundo, é uma figura conhecida não apenas por seu sucesso nos negócios, mas também por ser um filantropo e detentor do título de homem mais rico do mundo.

William Henry Gates III, mais conhecido como Bill Gates, nasceu em Washington, nos EUA, no ano de 1955. Quando jovem, ele frequentou escolas particulares e foi membro dos escoteiros. Atingiu mais de 99% de acerto nos exames SAT (uma espécie de Enem americano) e foi aceito na Universidade de Harvard para os cursos de matemática e direito. No terceiro ano de faculdade, largou o curso para se tornar empreendedor. Em 1975, aos 19 anos, fundou oficialmente a Microsoft junto com seu colega, Paul Allen.

Bill Gates ficou conhecido por ser um visionário. Ele optou por investir em uma empresa atuando no mercado de softwares, ao invés de desenvolver hardwares, como a maioria das empresas de tecnologia da época. Assim, ele podia se tornar um fornecedor para grandes players, como a IBM.

Suas habilidades de negociação também ficaram famosas, tanto que, segundo o filme Piratas do Vale do Silício, ele chegou a vender um sistema operacional para a IBM antes de ter desenvolvido sequer uma linha de código.

Em 2000, Bill e sua esposa Melinda combinaram três instituições de caridade fundadas por sua família para formar a Fundação Bill & Melinda Gates. A fundação atua em quatro áreas principais: desenvolvimento global, saúde global, política e direito globais e a divisão dos EUA. Demonstrando boa governança, a fundação permite que todos os doadores acessem informações a respeito de como o dinheiro está sendo empregado.

3 lições de liderança de Bill Gates

Pense a longo prazo

Bill Gates acredita que é responsabilidade da alta gestão pensar em como o futuro pode se desenvolver e, assim, preparar a empresa para ser bem-sucedida a longo prazo. Sem dúvida, o líder tem um papel central em garantir a manutenção do negócio de maneira sustentável e escalável, e não apenas obter bons resultados no momento presente. Essa é uma responsabilidade muito importante, já que a sobrevivência da empresa impacta toda a comunidade que depende dela economicamente.

Empregue e motive excelentes pessoas

Já não é mais novidade dizer que a empresa precisa de talentos para ser competitiva e vencer a concorrência. Para conquistar os melhores desenvolvedores, a Microsoft usava seus próprios talentos. Em outras palavras, as excelentes pessoas da equipe atraíam mais talentos para dentro da empresa.

Por isso, manter a sua equipe atual motivada é essencial. É muito difícil atrair profissionais quando as pessoas que estão dentro da sua empresa não agem como propagadores.

Elimine rixas pessoais

É importante aprender não apenas com as melhores práticas, mas também com os erros dos grandes líderes. Na Microsoft, as rixas pessoais eram um grande problema. A política de “desafiar” os colaboradores, de incentivar a competitividade para obter melhores resultados era muito exagerada, o que abria espaço para essas rixas.

É comum que em uma equipe discordâncias intelectuais apareçam. Isso é positivo à medida que gerar discussões saudáveis e abrir caminho para novas formas de pensar, novas soluções. O problema se dá quando essas discordâncias partem para o lado pessoal. Isso afasta os colaboradores, dissolve a equipe, desmotiva a todos os envolvidos.

4. Walt Disney

A história de Walter Elias Disney, ou Walt Disney, já virou lenda. Criador de uma das maiores empresas de animação do mundo, que acabou se expandindo para diversas outras áreas relacionadas ao entretenimento, seu legado é gigantesco: filmes, parques, produtos de todo tipo e um mundo de personagens que encantam gerações. Mas tudo isso começou timidamente.

Walt Disney nasceu em 1901, em Illinois, nos EUA. Durante a infância, viveu em uma fazenda e começou a se interessar por desenhos com aquarela e giz. Desde muito cedo começou a trabalhar entregando jornais antes e depois da escola e, por isso, frequentemente dormia nas aulas e tirava notas baixas. Mesmo assim, fazia aulas de artes aos sábados e um curso de desenho por correspondência. No ensino médio, tornou-se o cartunista do jornal do colégio.

Depois do colégio, e tendo sido recusado pelo exército americano por ser muito novo, Disney partiu para a França, como motorista de ambulâncias para a Cruz Vermelha. Ao retornar, deu início à sua carreira no mundo da animação. Abriu mais de um estúdio, mas não prosperou porque não conseguiu projetos e nem dinheiro suficiente. Até que, em 1923, mudou-se para Hollywood e conseguiu um contrato com a distribuidora Margaret J. Winkler (que tinha os direitos do popular desenho O gato Félix).

Para atender a esse contrato, fundou com seu irmão o estúdio Disney Brothers. Começou produzindo uma série de animações sobre Alice no país das maravilhas. Então, criou o Coelho Oswald. Finalmente, em 1928, criou o Mickey Mouse, que se tornou ícone de sua carreira. O estúdio Disney Brothers se tornaria, futuramente, The Walt Disney Company.

3 lições de liderança de Walt Disney

Sonhe sempre

Ninguém pode negar que Walt Disney era um sonhador. Ele não parou de criar e inovar até o final de sua vida. Uma coisa que sua história nos ensina é que o limite das possibilidades é a nossa imaginação.

Tenha resiliência

Disney passou por muitas situações que testaram sua resiliência, momentos em que ele poderia ter desistido. Mesmo assim, ele continuou buscando seus objetivos. Observe, por exemplo, que o sucesso alcançado com Mickey Mouse veio apenas depois de mais de dez anos trabalhando com animação.

Demonstre características de um líder

Pode parecer óbvio, mas o status de líder é dado somente àqueles que mostram as características de um verdadeiro líder. Você não pode desejar esse status sem demonstrar à sua equipe que pode arcar com todas as responsabilidades que ele acarreta. Afinal, o vínculo mais forte entre uma equipe e seu líder é a confiança.

A definição de Walt Disney para liderança foi: “Liderança significa que um grupo, grande ou pequeno, está disposto a confiar autoridade a uma pessoa que demonstrou bom julgamento, sabedoria, carisma e provou competência.

5. Martin Luther King

Martin Luther King não foi um líder de sucesso nos negócios, mas sim um importante líder de movimentos sociais. Ele esteve à frente na luta por direitos para os negros nos EUA. É graças a sua luta que hoje os negros e brancos têm direitos semelhantes, embora a desigualdade ainda exista.

Martin Luther King nasceu em 1929, na Georgia, EUA. Quando criança, ele costumava cantar no coro de várias igrejas, e acabou se tornando ministro de uma igreja batista. Ele seguiu seus estudos até alcançar o doutorado em teologia, pela Universidade de Boston.

Desde pequeno, Martin Luther King teve de encarar a diferença entre raças no seu país: tinha um amiguinho branco, mas, quando chegaram à idade escolar, tiveram de frequentar escolas diferentes. Além disso, o pai de seu amigo não quis mais que eles brincassem juntos.

Martin Luther King participou de momentos históricos da luta pelos direitos dos negros nos EUA. Ele esteve na linha de frente do “Boicote aos ônibus”, em 1955, causado porque Rosa Parks, uma mulher negra que se recusou a dar seu lugar a um branco, quebrando uma lei que existia para reforçar a segregação das raças.

Ele também participou da “Marcha por empregos e liberdade”, que aconteceu em março de 1963. Foi nessa marcha que ele fez seu famoso discurso “I have a dream”, ou seja, “Eu tenho um sonho”.

Por seu papel ativo nas lutas sociais, Martin Luther King recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1964. Ele ainda estava buscando seus ideais, e planejava uma ocupação de Washington em prol das pessoas pobres, quando foi assassinado, em 1968. Com sua morte, houve manifestações por todos os EUA.

3 lições de liderança de Martin Luther King

Comprometa-se totalmente

Martin Luther King se indispôs com muitas pessoas importantes, desafiou o status quo e colocou sua própria vida em risco para defender seus objetivos e valores. Isso é algo que falta em muitos gestores: quantas vezes vemos um gestor abandonar seu plano de ação e sua equipe quando as coisas começam a dar errado, procurando formas de proteger a si mesmo e ao seu cargo, ao invés de manter o comprometimento até o fim? Este tipo de atitude não demonstra liderança, pois não visa o coletivo.

Trate a todos na equipe igualmente

Martin Luther King lutou sua vida toda contra a discriminação. Ele queria que as pessoas fossem julgadas por suas ações, e não por sua aparência. Infelizmente, a discriminação no local de trabalho ainda acontece.

Pesquisas já demonstraram que as mulheres, por exemplo, recebem salários inferiores aos de seus colegas do sexo masculino na mesma função. É papel do líder, como Martin Luther King, avaliar seus funcionários pelo que são e pelo que fazem, sem deixar que o preconceito afete seu julgamento.

Trabalhe em conjunto

A imagem de um líder como a pessoa que fica acima da equipe, apenas mandando, observando e julgando, não funciona na prática. O tipo de líder que as empresas precisam, hoje, é aquele que arregaça as mangas junto com sua equipe para executar o trabalho da melhor maneira possível.

Martin Luther King incorporou o princípio da união à sua luta. Ele não ficava atrás, apenas instigando as pessoas, mas participava ativamente das marchas, dos protestos. Ele se expunha, também, junto com seu povo. Ele aceitava que as vitórias e derrotas deviam vir para todos, inclusive para ele mesmo.

6. Nelson Mandela

Nelson Mandela é a única figura nessa lista que não vem dos Estados Unidos. Mesmo assim, você com certeza o conhece. Ele é o principal nome na luta por direitos humanos na África do Sul, responsável por derrubar o apartheid.

Nelson Mandela nasceu na província de Cape, na África do Sul, em 1918. Durante a infância, ele viveu mergulhado nos costumes e tradições de sua tribo. Quando jovem, foi para a Universidade de Fort Hare, uma instituição de elite para os negros, onde teve aulas de inglês, antropologia, política e administração. Posteriormente, também estudou direito na Universidade de Witwatersrand, onde era o único aluno negro.

Devido a suas ações como ativista, foi acusado de traição e preso em certas ocasiões. Ele nunca pode ser condenado a punições severas, graças ao fato de que seus protestos eram baseados em uma política de não-violência.

Nelson Mandela conseguiu mais visibilidade para a situação da África do Sul, até que, no início da década de 1990, as negociações para acabar com o apartheid tiveram sucesso. Em 1993, ele recebeu o Prêmio Nobel da Paz. Logo em seguida, em 1994, Mandela foi eleito presidente da África do Sul.

3 lições de liderança de Nelson Mandela

Defenda sua equipe

Nelson Mandela assumia a frente para defender seu povo, mas era uma figura muito humilde e reservada em relação às suas vitórias. Em muitas ocasiões, o líder, em uma empresa, também precisa se levantar para defender a equipe. Do contrário, ele é apenas um capataz, encarregado de aplicar as punições que a alta gestão decide.

Use os debates para aumentar a união

Para Mandela, os debates eram oportunidades para aumentar a união do povo. O mesmo vale para a equipe. Discussões não devem ser evitadas porque, quando você chega a uma resposta, a concordância resultante vai fortalecer o vínculo entre os membros da equipe. Se todos colaboraram para chegar a uma solução, então todos concordam com ela e vão defendê-la.

O papel do líder não é abafar os debates, mas agir como mediador. Assim, os debates não se transformam em conflitos, mas permanecem focados em atingir uma resposta positiva.

Invista na educação da sua equipe

O líder tem a autonomia e autoridade para buscar ferramentas de educação que beneficiem o desenvolvimento de sua equipe. Mandela, como uma pessoa que teve a oportunidade de estudar, sabia que essa oportunidade traz um grande impacto. Não apenas é positivo para o próprio indivíduo, mas para todo o mundo, já que uma pessoa com educação é capaz de criar, mudar, inovar.

As pessoas que mencionamos nessa lista são conhecidas pelo impacto que sua liderança causou nos negócios ou na sociedade. Todos eles podem ser considerados exemplos claros de líderes de sucesso. Mas não são os únicos!

Em qualquer empresa, independente do porte, da localização ou do segmento, encontramos líderes que geram impacto positivo para sua equipe e para o negócio. Você conhece exemplos de brasileiros que poderiam entrar nessa lista?

Comente, deixando o nome de outros gestores que são grandes modelos de liderança!

Deixe seus comentários abaixo

Neder Izaac
Neder Izaac
Administrador formado pela FGV/SP e Mestre em Finanças pela FGV/SP. Atuou como analista e pesquisador na McKinsey & Company e como consultor na Accenture. Empreendedor responsável pela abertura de mais de seis negócios diferentes no ramo de restaurantes, franchising, bilhetagem eletrônica, crédito para saúde, consultoria e intermediação imobiliária. Proprietário da Empresa Realista Consultoria Empresarial. Arquiteto de soluções e projetos, dedica-se ao estudo do comportamento humano e sua relação com o desempenho das empresas.
Você também pode ler
43374-por-que-muitos-profissionais-falham-na-lideranca-de-equipes
Por que muitos profissionais falham na liderança de equipes?
conheca-o-conceito-de-lideranca-situacional27162
Conheça o conceito de liderança situacional!