Autoconhecimento Carreira Gerenciamento Liderança e Pessoas

Líder de sucesso: 6 coisas que você precisa saber para otimizar sua gestão

43818-lider-de-sucesso-x-coisas-que-voce-precisa-saber-para-otimizar-sua-gestao

A liderança tem um papel indispensável na realidade de todas as organizações. Afinal, é por meio dela que se torna possível haver uma gestão adequada de pessoas e o alcance dos objetivos estratégicos da empresa.

A tarefa, entretanto, pode se tornar mais complexa do que parece. Ao mesmo tempo, algumas atitudes otimizam a gestão de modo a gerar resultados benéficos para todo mundo: líder, liderados e empresa.

Sendo assim, veja a seguir 6 coisas que você precisa saber para otimizar a sua gestão e ser um líder de sucesso!

1. Seja um líder servidor

O conceito tradicional de liderança — no qual o líder é uma figura autoritária e que deve ser obedecida a qualquer custo — já não faz mais sentido na realidade de hoje.

Atualmente, é preciso que a liderança seja servidora, o que significa comandar e liderar, mas também servir às pessoas que estão envolvidas em todo esse processo. Para se tornar um líder servidor, algumas etapas incluem:

Humanize o relacionamento

Uma das maiores características da liderança servidora é que ela não é focada apenas nos interesses e propósitos da organização. Em vez disso, essa liderança também é voltada para as pessoas, de modo a melhorar o relacionamento de maneira geral.

E, para que isso seja possível, é necessário humanizar o relacionamento com a equipe. Nesse sentido, líderes servidores são altamente empáticos, gentis, perceptivos e influenciadores.

Essas são algumas características que devem fazer parte da sua atuação para que você se torne um líder de sucesso, inspirando pessoas e favorecendo o alcance de objetivos.

Entenda os desafios de cada colaborador

Com a liderança mais humanizada, o ideal é procurar entender os desafios de cada colaborador. Nesse sentido, alguns possuem desafios de ordem intelectual, enquanto outros possuem personalidades que exigem uma atuação diferenciada.

Então, conhecer as pessoas da sua equipe e entender quais são os desafios que cada uma encara pode ajudar a trazer perspectiva para a liderança. Se um dos colaboradores sofre com a falta de experiência, por exemplo, é possível agir de modo a orientá-lo e conseguir melhores resultados.

Esteja disposto a ajudar

Sobre isso, inclusive, é fundamental estar disposto a ajudar. Não basta apenas reconhecer os desafios de cada pessoa, mas também agir de modo a vencê-los.

Afinal, quando o líder se envolve com a equipe de tal modo que passa a sensação de compromisso e responsabilidade, há muito mais segurança. E criar esse tipo de relacionamento com os colaboradores motiva e permite que a sua liderança seja mais assertiva, obtendo o máximo de desempenho de cada pessoa envolvida.

Além disso, essa atitude ainda estimula a proatividade e a colaboração da equipe, de maneira geral, o que pode ser muito útil para gerar um ambiente de trabalho altamente participativo.

Pense em longo prazo

Um bom líder servidor não tem um pensamento focado em curto prazo, ou enquanto sua liderança durar. Na verdade, ele pensa no futuro, e em como serão as próximas lideranças, as próximas equipes e a continuidade da empresa.

Então, para aplicar isso em sua liderança, o ideal é começar a pensar em longo prazo e a construir alicerces que favoreçam o desempenho da equipe e o alcance de objetivos estratégicos.

Aliás, pensar dessa forma denota humildade, visão e unidade — três características igualmente indispensáveis para uma liderança de sucesso.

2. Aprenda a lidar com diferentes gerações na empresa

Hoje, o ambiente de trabalho comporta diferentes gerações de trabalho: a geração X e os Baby Boomers possuem, no geral, mais experiência, enquanto as gerações Y e Z trazem a modernidade, o digital e a criatividade para o ambiente de trabalho.

O próprio desenvolvimento digital gerou transformações tão profundas que afastaram muito essas gerações. Com isso, não é incomum ver o choque cultural e de valores entre essas gerações tomando conta do ambiente de trabalho.

Portanto, é papel da liderança garantir a sinergia de atuação. E, para que isso seja possível, algumas atitudes bem-vindas incluem:

Favoreça e estimule o diálogo

De fato, conflitos fazem parte do processo de adaptação de uma geração com a outra, mas só serão resolvidos por meio de um diálogo consistente e de qualidade.

Então, como líder, você deve favorecer e estimular que profissionais de gerações diferentes conversem sobre formas de trabalho, e deem opiniões e sugestões. Isso permite que cada um conheça um pouco mais sobre a forma de trabalhar do outro, o que aumenta a tolerância a adaptações e novidades.

Lembre-se: a questão aqui não é definir quem está certo ou errado, mas sim garantir que todos aprendam como conseguir um trabalho mais otimizado.

Opte pelo trabalho em equipe

Inclusive, é fundamental desenvolver projetos que envolvam o trabalho em equipe. Por mais difícil que seja a adaptação no começo, é por meio do trabalho colaborativo que os profissionais vão conseguir aprender com os demais, e criar processos melhores.

Em uma reunião, por exemplo, vale a pena ouvir a opinião e as sugestões de profissionais de diferentes gerações, incentivando novas perspectivas. Além disso, criar equipes mistas de trabalho é outra dica relevante para promover a integração entre as pessoas.

Com o aprimoramento do relacionamento, fica mais fácil conseguir resultados diferenciados.

Aproveite os pontos positivos de cada geração

Para criar equipes com o máximo de potencial, também é importante aproveitar os pontos positivos de cada geração. Enquanto os Baby Boomers são metódicos e não gostam de tanto controle, os integrantes da geração Y anseiam por feedback e orientação constantes.

Da mesma forma, integrantes da geração Z trazem transformações positivas quanto à forma de se comunicar. Sendo assim, vale aproveitar os pontos positivos de cada geração.

Um projeto mais analítico, por exemplo, pode exigir uma liderança de um integrante da geração X. Ao mesmo tempo, se é necessário modernizar as formas de comunicação da empresa, utilizar as gerações mais novas e suas ideias para realizar a transformação pode ser uma ótima possibilidade.

Esteja pronto para fazer adaptações

Um líder de sucesso precisa ser capaz de fazer algumas concessões necessárias para atingir os objetivos de gestão. E, no caso de liderar diferentes gerações, essa necessidade é ainda mais intensa.

Sendo assim, é indispensável entender a necessidades de cada profissional e de cada geração para oferecer adaptações condizentes. Se um determinado setor é composto prioritariamente pela geração Y, por exemplo, a flexibilidade de horários é vista com bons olhos. Já no caso da geração X, a autonomia pode ser mais importante.

3. Motive a sua equipe!

Uma pesquisa realizada pela Right Management mostrou que os funcionários motivados produzem cerca de 50% a mais. Isso traz ganhos não apenas para a empresa, mas também para a própria liderança.

Um líder de sucesso, portanto, não apenas cobra ou exige resultados, mas também oferece meios para que os funcionários se sintam devidamente motivados para atingir o desempenho esperado. Nesse panorama, ações de motivação incluem:

Alinhe as expectativas

Quando os colaboradores não têm certeza sobre o que devem fazer, como devem fazer e qual é o objetivo, sua atuação é mais difícil. Nesse sentido, atingir expectativas pouco claras gera uma ansiedade coletiva que leva à queda de motivação e, portanto, de produtividade.

Para evitar que isso aconteça, o ideal é garantir que todos na sua equipe saibam exatamente o que você espera deles e o que eles devem atingir. Assim, com uma comunicação clara, fica mais fácil, inclusive, cobrar resultados quando for a hora.

Ouça o que os colaboradores têm a dizer

Um bom líder não é apenas aquele que fala, mas também aquele que ouve — essa, inclusive, é uma característica da liderança servidora. O canal de comunicação não pode ser hierarquizado e ser apenas top-down, ou seja, de cima para baixo.

Também, é importante que ela aconteça bottom-up, permitindo que os colaboradores falem sobre suas dificuldades e desafios.

Quando sentem que são ouvidos e que seus problemas são levados em consideração, os colaboradores ficam mais estimulados. Além disso, ouvir o que eles têm a dizer permite que a liderança atue de maneira mais assertiva.

Esteja disposto a correr alguns riscos

O desafio é um grande motivador. Quando os colaboradores são tirados de suas zonas de conforto, eles tendem a se forçar a produzir mais e melhor, em busca de um resultado inédito. É por isso que um líder deve ser capaz de dinamizar o ambiente de trabalho, propondo desafios e novas abordagens.

Contudo, nem sempre isso é uma tarefa simples, e comumente exige que sejam corridos riscos calculados. Dessa forma, também é papel do líder agir de forma inovadora para não deixar que a equipe se sinta estagnada.

Mediante a avaliação de riscos, embarcar em novas possibilidades gera um impacto positivo e arrojado nos funcionários.

Estabeleça um programa de recompensas

A motivação também está relacionada ao ganho por desempenho. Se um funcionário sabe que pode ganhar algo a partir de sua atuação otimizada, maiores são as possibilidades de ele se dedicar a atingir determinado objetivo.

Sendo assim, uma possibilidade bastante explorada é a criação de um programa de recompensas. Vendedores que batem metas, por exemplo, normalmente contam com uma série de benefícios que vão desde folgas programadas ao ganho de remuneração.

Para não gerar o efeito oposto, entretanto, é recomendado que o programa seja muito bem estruturado, detalhado e divulgado. Aliás, mais do que isso, é preciso que os funcionários sintam que vale a pena empreender esforços para conseguir a recompensa em questão.

Lidere pelo exemplo

Um líder de sucesso não age apenas de forma a gerenciar resultados, mas também a inspirar pessoas. Nesse sentido, transformar-se em um exemplo no qual os colaboradores podem se inspirar é uma forma eficiente de gerar engajamento e motivação para a sua equipe.

Do contrário, se você tem um discurso mas age de maneira oposta, perde o respeito da equipe, e ela se sente desvalorizada e desmotivada. Por isso, é muito importante ter coerência entre fala e ações e agir de forma que a sua liderança seja colocada em prática.

4. Aproveite sua equipe do jeito certo

Muitas vezes, a liderança deixa de obter os resultados desejados porque subutiliza as pessoas dentro de uma equipe. De fato, se as decisões não forem tomadas de maneira orientada, e levando em consideração as capacidades da equipe, os resultados tendem a ser pouco satisfatórios.

Dentre as decisões que um líder precisa tomar, portanto, está o aproveitamento adequado da equipe — e para isso é preciso colocar em prática as seguintes ações:

Entenda o perfil de cada um

Mesmo profissionais com personalidades semelhantes podem ter capacidades técnicas e interesses diferentes. Isso faz com que cada profissional tenha um perfil único, o que torna necessário entender melhor essas características para conhecer o perfil de vaga ideal.

Se uma determinada posição na empresa exige comunicação intensa e você a designa para um profissional altamente introvertido, por exemplo, não apenas haverá falta de resultados como uma diminuição considerável da sua motivação.

Por isso, é necessário estudar e conhecer a fundo o perfil de cada integrante da equipe, entendendo suas competências, dificuldades e interesses.

Delegue as tarefas da maneira correta

A delegação de tarefas deve ser orientada a partir dessa compreensão, o que significa atribuir funções de acordo com o perfil de cada um. Ao dar responsabilidades adequadas para cada perfil, existe um fluxo de trabalho otimizado e capaz de gerar resultados mais consistentes.

Na verdade, não adianta transmitir uma determinada tarefa para o profissional mais experiente se ele não for tecnicamente capacitado ou se não tiver interesse, por exemplo. E, como saber delegar é uma das missões do líder, essa etapa não pode deixar de passar por esse processo.

Ofereça autonomia, mas controle os resultados

Uma vez que as tarefas estejam corretamente designadas, é hora de oferecer autonomia para que tudo seja colocado em prática. Como dissemos, a ideia do líder altamente controlador e que exige que tudo seja feito do seu jeito já não funciona mais, mesmo para as gerações mais novas e que necessitam de mais orientação.

Porém, delegar tarefas e dar autonomia não deve significar a perda do controle de processos e resultados. De fato, é fundamental estabelecer métricas de acompanhamento e manter a comunicação com os colaboradores para acompanhar seu desempenho.

Forme novos líderes

A formação de lideranças locais em diversos níveis ajuda não apenas no controle e no gerenciamento, mas também estimula a geração de um trabalho mais colaborativo. Por isso, vale a pena analisar e identificar possíveis lideranças que se destaquem em determinadas equipes.

Até porque, ao trabalhar em cima desses profissionais, desenvolvendo competências e habilidades, cria-se uma liderança local que favorece e otimiza a gestão. E, mais do que isso, o desenvolvimento de novas lideranças está diretamente ligado à postura do líder servidor, construindo novas bases para o futuro.

5. Dê feedbacks corretamente

Dados mostram que empresas que adotam uma política regular de feedback têm até 15% menos de rotatividade de funcionários. Isso porque essa é uma ferramenta importante para a gestão, e mais ainda para os funcionários.

De fato, um feedback positivo oferece reconhecimento, enquanto um feedback negativo —realizado da maneira certa — dá ao funcionário a chance de melhorar seu desempenho.

Assim, essa função do líder de dar feedback corretamente é possível por meio de ações como:

Tenha consistência ao oferecer feedback

Não adianta oferecer feedback no começo de um projeto e só oferecê-lo novamente ao final, por exemplo. Da mesma forma, não adianta dar feedbacks com um intervalo muito grande entre si, pois isso desestimula o profissional.

O ideal é criar uma consistência de feedbacks, oferecendo-os de maneira contínua, mas não interruptiva. Isso significa que o seu colaborador precisa ter autonomia de agir para atingir o resultado, mas deve receber orientações de maneira pertinente para favorecer os resultados.

Procure dar feedback de maneira imediata

Outro aspecto importante é que um feedback dado de maneira imediata tende a funcionar melhor. Se um colaborador está fazendo algo incorreto, por exemplo, vale mais a pena falar tão logo o erro seja percebido.

Assim, além de evitar consequências negativas que se acumulam, também se permite um reconhecimento imediato do problema, favorecendo a correção.

Esse tipo de feedback, inclusive, funciona especialmente bem para os integrantes da geração Y e da geração X. Como valorizam fortemente a orientação, eles se sentem mais motivados dessa forma.

Seja claro, direto e preciso

É importante lembrar que o feedback precisa ser entendido adequadamente pelo colaborador — se deixa margem para dúvidas ou gera ruídos na comunicação, ele não foi efetivo. Então, para evitar que isso aconteça, aja de maneira clara, precisa e simples.

Quanto mais enfático e direto for esse retorno, melhor. O colaborador vai encará-lo de maneira natural se ele for dado adequadamente, e vai conseguir entender diretamente o que você espera que ele mude.

Ofereça feedbacks construtivos

A oferta de feedback precisa ser orientada para resultados. Isso significa que não adianta apenas comentar o desempenho do colaborador, mas também é preciso garantir que ele tenha as ferramentas necessárias para se desenvolver e atingir melhores resultados.

O retorno que oferece isso é chamado de feedback construtivo — que, vale ressaltar, nem sempre precisa ser positivo. Mesmo uma crítica pode ser bem vista pelo colaborador, se for feita da forma correta e se ajudá-lo a crescer.

De fato, 92% dos entrevistados em uma pesquisa afirmaram que, se bem oferecido, um feedback negativo é efetivo para melhorar a performance. A questão é tão importante que 57% dos funcionários entrevistados disseram preferir uma crítica construtiva a um mero elogio vazio.

Por isso, na hora de demonstrar sua avaliação de desempenho tenha em mente que ela precisa agregar e ajudar seu colaborador a se desenvolver, tornando essa opinião ainda mais valiosa.

Seja justo em sua análise

Voltando novamente à liderança servidora, você precisa ser justo em toda a sua atuação para inspirar e gerar resultados junto a seus colaboradores. E, na hora de dar feedback, isso não é diferente.

Se dois funcionários partiram do mesmo ponto e fizeram a mesma coisa, por exemplo, é necessário que o retorno seja igual para ambos. Não favoreça colaboradores individualmente e não deixe que a sua visão não seja clara e explícita. Assim, você gera credibilidade no retorno que você oferece e ressoa melhor entre a equipe.

6. Estude sempre!

Ser um líder de sucesso não é uma tarefa que acontece de um dia para o outro, assim como também não é uma tarefa definitiva. Afinal, por mais sucesso que você tenha no momento, se nada fizer não há garantias de que os níveis irão se manter ao longo dos meses, ou mesmo das semanas.

Na verdade, a capacitação precisa ser uma preocupação constante na sua atuação, por isso, estudar é fundamental. Nesse sentido, leve em consideração questões como:

Renove seus conhecimentos continuamente

Investir em educação continuada é o melhor que você pode fazer pela sua liderança. Hoje, as necessidades mudam rapidamente, e ficar parado no tempo só vai diminuir o seu poder de atuação e de gerar resultados.

Então, esteja sempre em contato com as novidades sobre lideranças, busque novas perspectivas do que você já sabe e se mantenha informado sobre as melhores e novas técnicas. Isso vai te ajudar a não ficar obsoleto, o que compromete os resultados.

Busque cursos e especializações

Dentro da educação continuada, cursos e especializações são bem-vindos. Sejam feitos à distância ou não, há muitos treinamentos que podem te ajudar a ser um líder melhor, mais capaz, mais servidor e mais preparado para os desafios da gestão de pessoas.

Por isso, não abra mão de fazer esse tipo de investimento em você e na sua carreira. Busque instituições especializadas, e que ofereçam bons resultados de modo a desenvolver suas habilidades.

Mais do que ofertar mudanças e melhorias no âmbito profissional, há treinamentos que podem promover uma transformação pessoal positiva capaz de gerar impactos desejáveis em todos os setores da sua vida.

Leia títulos sobre liderança

Também há muitos livros que podem te ajudar a conseguir uma liderança mais adequada e com mais resultados. Quanto a  isso, obras como “A Arte da Guerra”, “Gerente de Minuto” e “O Líder Autêntico” trazem ensinamentos valiosos para a sua atuação.

E, se você quiser se tornar um verdadeiro líder servidor, “O Monge e o Executivo” é um título indispensável. Vale a pena, inclusive, buscar um treinamento baseado na obra para desenvolver ao máximo suas capacidades servidoras.

Tenha autoconhecimento

Para entender exatamente qual tipo de capacitação você precisa ou qual conhecimento é mais útil para as suas necessidades, o autoconhecimento também deve fazer parte da sua rotina.

Avaliar a sua liderança, ou mesmo absorver as opiniões fornecidas pelos seus colaboradores garante que você entenda os pontos que mais necessitam de atenção e aprimoramento, gerando resultados mais consistentes.

Enfim, para ser um líder de sucesso é importante investir em uma liderança servidora, assim como é necessário lidar com diferentes gerações, motivar colaboradores e utilizar a equipe corretamente. Com o feedback correto e a busca por mais capacitação, você verá os resultados positivos surgindo não apenas na sua vida profissional, mas também na sua vida pessoal!

E então, gostou deste artigo? Quais são os seus maiores desafios para liderar com sucesso? O que você ainda precisa colocar em prática para conseguir resultados melhores? Comente e compartilhe sua experiência!

Deixe seus comentários abaixo

Neder Izaac
Neder Izaac
Administrador formado pela FGV/SP e Mestre em Finanças pela FGV/SP. Atuou como analista e pesquisador na McKinsey & Company e como consultor na Accenture. Empreendedor responsável pela abertura de mais de seis negócios diferentes no ramo de restaurantes, franchising, bilhetagem eletrônica, crédito para saúde, consultoria e intermediação imobiliária. Proprietário da Empresa Realista Consultoria Empresarial. Arquiteto de soluções e projetos, dedica-se ao estudo do comportamento humano e sua relação com o desempenho das empresas.
Você também pode ler
60594-como-manter-uma-postura-positiva-no-trabalho
Como manter uma postura positiva no trabalho?
última chamada para 2018. (3)
9 passos para aprender a deixar o passado para trás