Carreira

Onde está o segredo para a felicidade no trabalho?

felicidade-blog

Iniciar a segunda-feira já pensando no final de semana, ir para o trabalho contando as horas restantes para você voltar para casa e ter até vontade de chorar na hora em que abre os olhos pela manhã e se lembra que, em breve, iniciará seu expediente: esses são alguns dos sintomas que indicam que algo não anda nada bem em sua vida profissional. E que a verdade seja dita: uma grande parcela das pessoas já enfrentou (ou está atualmente enfrentando) essa situação.

Na prática, por mais que a felicidade no trabalho seja um ideal perseguido por muitos, são poucos os que realmente conseguem identificar o que há de errado. Em meio a essa situação, sentem-se completamente inaptos a iniciar um processo de mudança efetiva. E assim se passam anos e anos, com a infelicidade se aprofundando cada vez mais. Conseguiu se identificar com o cenário, mas ainda assim não se acha capaz de mudar os rumos da própria carreira? Pois foi exatamente pensando em você que resolvemos publicar este post! Então acompanhe:

Por que e como a insatisfação com o trabalho surge?

Antes de mais nada, você precisa saber que a insatisfação com o trabalho não surge da noite para o dia. Muito pelo contrário, esse sentimento faz parte de um processo por meio do qual diversos fatores e acontecimentos contribuem para que, pouco a pouco, o profissional se sinta desanimado com a própria ocupação e desmotivado com relação à empresa em que atua. Salários considerados injustos e insuficientes, chefia incapacitada, falta de incentivos ou de reconhecimento, ausência de desafios ou de perspectivas de crescimento na empresa, rotina maçante, incompatibilidade entre seus propósitos de vida e o tipo de trabalho desenvolvido: as causas são inúmeras.

Há não muitos anos, o trabalho era encarado apenas como uma ferramenta para se obter o próprio sustento. Porém, atualmente, percebe-se cada vez mais que o trabalho assume uma importância fundamental na existência dos cidadãos, fazendo com que a satisfação profissional se misture e confunda com a felicidade na vida pessoal. Logo, muito mais que remunerações gratificantes, os trabalhadores têm sido movidos pela busca por qualidade de vida, desenvolvimento pessoal, rotinas de trabalho mais leves e, acima de tudo, pelo sentimento de que estão realizando um trabalho carregado de propósitos.

Nesse contexto, quando os primeiros sinais de que há algo errado surgem, a tendência é que a pessoa comece a encontrar defeitos no mundo exterior, atribuindo a culpa por sua insatisfação a tudo o que tem relação com sua realidade profissional atual. Aí os colegas de trabalho são desagradáveis, o chefe é um carrasco sem competência, as funções são repetitivas e entediantes, o salário é injusto e o futuro na empresa não reserva perspectivas favoráveis.

Entretanto, a insatisfação decorre, muitas vezes, de situações bem mais complexas, relacionadas à forma com que o indivíduo enxerga o trabalho e encara sua própria vida. Assim, a decepção e a frustração, na realidade, não estão direcionadas apenas aos aspectos profissionais, mas se referem a questões mais profundas, que exigem um processo de reflexão cuidadoso em busca de autoconhecimento.

O que fazer para encontrar a felicidade no trabalho?

Atenção: antes de jogar tudo para o alto e pedir demissão, analise a situação com calma e se comprometa a ser o mais honesto possível consigo mesmo. O que, na verdade, faz com que você se sinta tão mal com seu trabalho atual? Iniciar um processo de reflexão e análise racional dos fatos e dos próprios sentimentos, pensamentos e desejos o ajudará a compreender a motivação para sua infelicidade nesse âmbito.

Se achar que é necessário, anote em um papel tudo o que você considera positivo e o que vê de negativo em seu trabalho. Problemas de relacionamento com colegas e com a chefia e a sensação de que as funções que desempenha não estimulam todo seu potencial são exemplos de impressões a respeito do trabalho que você deve trazer à luz nesse momento para entender como agir em busca da felicidade profissional.

Depois de identificar em detalhes o que o desmotiva e desanima, chega a hora de planejar mudanças efetivas. O recomendável é que, antes de tomar qualquer atitude precipitada, você tente buscar maneiras de melhorar sua vida no trabalho, realizando pequenas alterações em seu cotidiano. Procurar por uma mudança de setor dentro da mesma empresa, tentar melhorar o relacionamento com os colegas ou conversar com seus superiores sobre suas aspirações (solicitando outras tarefas ou novos desafios) são boas ideias para começar a trilhar seu caminho em busca da felicidade no trabalho.

De toda forma, por mais que você se esforce nesse processo de autoconhecimento, a verdade é que, em alguns casos, esses pequenos ajustes infelizmente não se mostram capazes de resolver de vez o problema. Se eventualmente se deparar com esse impasse, vale analisar se a solução por acaso não está na procura por um novo emprego ou até mesmo uma carreira completamente diferente.

E como encontrar novas possibilidades de horizonte?

Por mais que não exista uma fórmula mágica para se encontrar a felicidade no trabalho, o autoconhecimento se mostra como o caminho mais fácil para descobrir uma vocação ou simplesmente uma ocupação em que se veja mais sentido. Investir em leituras, cursos, workshops e treinamentos com o objetivo de promover o conhecimento de si mesmo ou até mesmo ampliar seus conhecimentos sobre assuntos que atualmente não têm relação com sua área de trabalho podem fazer com que você finalmente descubra seu propósito, encontrando um trabalho que ama.

Nesse processo, tente enumerar quais atividades você gosta de fazer profissionalmente ou mesmo em seu tempo livre, quais são seus hobbies e suas maiores aptidões, assim como quais são seus pontos fracos, suas angústias e seus anseios. Acredite: durante essa reflexão, é bastante provável que você descubra áreas nas quais possivelmente seria mais feliz trabalhando.

E por último, mas não menos importante, se tiver uma ideia aparentemente brilhante nessa caminhada, não abra mão de seu trabalho atual, ainda que ele o desagrade. Desenvolva seu plano B paralelamente, até que ele ganhe força e você possa, então, trocar de carreira. Esse período de transição é importante para se fazer um bom planejamento estratégico e financeiro, a fim de evitar maiores danos e tropeços.

De fato, não há trabalho perfeito. Mas, ao contrário do que muitos podem pensar, é possível sim encontrar a felicidade no trabalho! Para isso, é preciso ter consciência de que todas as atividades e empresas apresentam lados negativos, entediantes e limitadores. Desenvolver sabedoria para lidar com algumas fases ruins também é essencial a qualquer profissional. Lembre-se: a mudança depende de você. Está descontente com seu trabalho? Trate de investigar o que lhe trará felicidade e, passo a passo, inicie a transformação!

Pronto para encarar esse desafio e ter um dia a dia mais feliz? Então comente aqui e nos conte o que pretende fazer! E aproveite para conferir este nosso outro post sobre a falta de tempo como causa de pressão no trabalho!

 

Deixe seus comentários abaixo

Xando Natsume
Xando Natsume
Gerar conteúdo de valor é a proposta desse blog. Queremos contribuir para o seu crescimento e transformação da sua vida pessoal e profissional, explorando temas e assuntos relevantes para mudança de comportamento e carreira.
Você também pode ler
44332-gestao-de-lideranca-x-mitos-que-voce-precisa-parar-de-acreditar
Gestão de liderança: 8 mitos que você precisa parar de acreditar
51758-por-que-e-importante-escolher-o-treinamento-certo-para-a-sua-carreira
Por que é importante escolher o treinamento certo para a sua carreira?