Liderança e Pessoas

Qual é o papel do líder nos resultados da empresa?

qual-e-o-papel-do-lider-nos-resultados-da-empresa

Você já deve ter percebido que, nos últimos anos, as empresas têm adaptado a sua realidade a um ponto de vista mais humanizado, menos baseado na hierarquia e mais focado na contribuição. Funcionários deram lugares a colaboradores e chefes estão cedendo espaço para os líderes. Nós já explicamos para você o quanto eles são diferentes, lembra?

No entanto, você sabe qual é a real importância desse líder quando se trata de alcançar resultados? Descubra no nosso post de hoje!

Como aprender a liderar?

Muitas empresas, mesmo com gestores extremamente capacitados tecnicamente, ainda são carentes de líderes. Enquanto um chefe ensina a sua equipe apenas o básico para a realização do trabalho, um líder motiva os seus colaboradores, ajudando-os a sair do seu lugar-comum e desenvolver o seu máximo potencial.

O maior desafio para quem chega a um cargo de gestão é atingir metas e, ao mesmo tempo, inspirar pessoas a fazer o seu melhor. Muitos profissionais acreditam que não possuem um perfil ideal de liderança, não têm pulso firme ou são muito indecisos na tomada de decisões, e por isso ficam estagnados ou escolhem caminhos errados para lidar com as pessoas, através do poder e da falta de diálogo.

Para os especialistas, contudo, liderança não é um dom e é possível desenvolver todas as habilidades necessárias através de recursos como:

Livros

Nem todo mundo nasce um líder. Gandhi é um desses exemplos. Vindo de uma família indiana tradicional, tinha a advocacia como profissão, mas tornou-se um mártir na luta pela independência da Índia, através da leitura de autores como Leon Tolstoi, pelo qual conheceu o conceito de “desobediência civil”, uma forma de liderar e conduzir pessoas sem o uso da violência.

Os livros são uma excelente fonte de aprendizado e qualificação para quem deseja exercer a liderança. Confira alguns nomes que devem fazer parte do acervo de todo profissional, e suas principais lições para quem deseja aprender a liderar:

“O Monge e o Executivo” (James Hunter)

“Os líderes verdadeiramente grandes têm a capacidade de construir relacionamentos saudáveis”.

“A Arte da Guerra” (Sun Tzu)

“O verdadeiro método, quando se tem homens sob as nossas ordens, consiste em utilizar o avaro e o tolo, o sábio e o corajoso, e em dar a cada um a responsabilidade adequada”.

Inteligência Emocional (Daniel Goleman)

“As pessoas com prática emocional bem desenvolvida têm mais probabilidade de se sentirem satisfeitas e de serem eficientes em suas vidas, dominando os hábitos mentais que fomentam sua produtividade”.

O Livro de Ouro de Liderança (John Maxwell)

“As pessoas podem ensinar o que sabem, mas refletem aquilo que são”.

“A Essência do Líder” (Warren Bennis)

“Os líderes não têm nada senão a si mesmos com o que trabalhar. Um dos paradoxos da vida é que os bons líderes chegam ao topo apesar de suas fraquezas, enquanto os maus líderes sobem por causa delas”.

“Autenticidade” (Bill George e Peter Sims)

“O seu ‘norte verdadeiro’ não pode ser redirecionado por pressões externas. Quando você começar a tentar satisfazer um acionista, você vai ter que lidar com outro acionista com um ponto de vista diferente. Mesmo com membros da diretoria e todos os seus outros círculos eleitorais. Se você se permite ser puxado para fora do curso, você pode destruir a sua empresa”.

“O Desafio da Liderança” (Barry Posner e James Kouzes)

“Quando apresentam seu melhor desempenho, os lideres fazem mais do que apenas conseguir resultados. Também correspondem às expectativas dos liderados”.

Cursos

Assim como os livros, cursos de capacitação são essenciais para desenvolver habilidades de liderança e representam um caminho mais rápido para o sucesso na vida profissional e nas relações pessoais. Isso não vale apenas para os negócios.

Liderar é algo cotidiano, fundamental em qualquer momento da vida — seja na condução de uma casa até a escolha das pessoas com quem nos relacionamos. Em seu livro “O Monge e o Executivo”, James Hunter aponta o líder como “aquele que direciona, constrói equipes e inspira outras pessoas por meio de exemplos e palavras”.

É através da imersão direta na obra de Hunter que promovemos três dias de treinamento para que futuros líderes avaliem a sua forma de gestão, aprimorem os seus relacionamentos familiares e com colaboradores, aprendam a lidar com situações de conflito no trabalho, enquanto mergulham em uma jornada de autoconhecimento e resgate do que há de melhor em si: a própria essência.

O que é sucesso?

Se há alguns anos, para a geração dos “baby boomers” sucesso era ter estabilidade na carreira e proporcionar uma vida confortável para os filhos, hoje a geração Y possui objetivos completamente diferentes.

Nascidos em uma época com mais privilégios e maior acesso à informação, os jovens se sentem na obrigação de superar os seus pais e serem profissionais excepcionais, premiados e invejados no mercado. Essa busca desenfreada para atender às expectativas que ele mesmo criou, muitas vezes gera frustração e a sensação de fracasso no profissional de hoje.

Sucesso é uma palavra simples, mas cheia de significados. Para muitos profissionais é alcançar um alto cargo executivo, como diretor ou presidente. A partir dessa concepção eles passam grande parte da vida em busca de receitas e fórmulas para crescer profissionalmente mais rápido, mas ao alcançar esse objetivo continuam frustrados por não terem se tornado os líderes que sonharam.

Não há nenhum problema em basear sua ideia de sucesso em um cargo melhor ou ganhar mais dinheiro. O perigo está em acreditar que esse é o único caminho para tornar-se alguém admirado e reconhecido.

Outro grande problema dos profissionais é basear a sua jornada profissional na vida de outras pessoas, que geralmente não são aquilo que aparentam. Quantos altos executivos utilizam táticas desonestas para chegar aos seus cargos? Quantos chefes abdicam da qualidade de vida e de relacionamentos familiares para se manter naquela posição? Quantas pessoas “bem-sucedidas” são extremamente infelizes com a sua própria vida? Milhares!

Sucesso não é uma linha de chegada e, sim, um processo de construção diária. Mesmo que você chegue onde deseja, não significa que a sua jornada parou por aí. Ser bem-sucedido é saber estipular as metas, sem negligenciar a si mesmo diante das cobranças sociais. Isso exige uma viagem de autoconhecimento sobre as suas potencialidades e dar o melhor de si para realizar os próprios sonhos.

Quem consegue aproveitar as oportunidades e encarar os problemas de maneira mais otimista, agindo com ética e respeito ao próximo, é capaz de alcançar o sucesso mais facilmente. Não importa o que esse sucesso signifique.

Como melhorar a performance da sua equipe?

Um dos principais desafios dos líderes é aprender a utilizar a autoridade para unificar a sua equipe em prol de um objetivo comum, gerar confiança e uma atmosfera de bem-estar. Um relacionamento ruim com o chefe é uma das cinco principais causas de demissão no Brasil.

Esses chefes geralmente são pessoas que, ao chegar à liderança, usam o seu cargo para gerar obediência e não comprometimento. Elas dificilmente serão capazes de conseguir reter talentos e fazer com que os seus liderados tenham motivação no trabalho.

Um líder inspirador

Inspirar significa despertar em alguém a vontade de fazer algo. Não através de ordens ou ameaças, mas de influência. As pessoas se inspiram naquilo que lhes desperta admiração.

Vamos usar como exemplo professores de um colégio. Assim como eles podem mudar toda a perspectiva de uma criança ou adolescente durante o seu crescimento, um líder pode marcar a vida de um profissional e inspirá-lo a ser o melhor que puder.

No ambiente corporativo, inspiração é um estímulo que pode ser utilizado para manter colaboradores motivados e aumentar a performance na busca por resultados. Um líder inspirador é capaz de praticar a escuta ativa — ouvindo críticas, comentários e sugestões dos seus colaboradores —, de dar feedbacks contínuos e de tratar as pessoas com equidade, além de reconhecer suas habilidades individuais e ajudar a desenvolvê-las.

Além disso, o líder trata as pessoas como pessoas, com sentimentos, desejos e frustrações, e não como máquinas de produção. Ele conhece as suas metas, é capaz de delegar tarefas interessantes para manter o entusiasmo e, acima de tudo, lidera através do exemplo.

Ele sabem que para inspirar pessoas não é preciso apenas ter um alto cargo executivo ou uma posição elevada em uma empresa, e sim, uma conduta ética e caráter. Um líder que consegue identificar fatores que aumentam a motivação da equipe, que dá prioridade ao relacionamento interpessoal, investe no diálogo e na qualificação, incentiva a autonomia e assume responsabilidades em momentos ruins, torna-se imediatamente uma inspiração para aqueles que o cercam.

As maneiras de engajar colaboradores de gerações diferentes

Especialistas apontam que a cada dez anos surgirá uma nova classe genealógica, o que implica em mudanças diretas na forma de agir e consumir. Nascida após a 2ª Guerra Mundial, a geração X focou a sua carreira em conseguir estabilidade em um mundo arrasado por conflitos.

Já a Y, nascida depois dos anos 70, cresceu em um mundo marcado por mudanças e teve de se acostumar a elas, enquanto a Z (pós-1992) surgiu na era da internet, com a vida simplificada pela tecnologia e na qual tudo é novidade.

Em um ambiente corporativo, é comum encontrar a geração X representada por um gestor ou colaborador com vários anos de empresa, que já incorporou a visão da mesma. Ele possui o desafio de lidar com profissionais recém-formados, cheios de novidades e multifacetados, que integram a geração Y, e com os ainda mais jovens, geralmente estagiários, introvertidos e com um perfil mais imediatista.

Diante desse cenário, como um líder pode mediar interesses e padrões de comportamento tão diferentes no mesmo ambiente de trabalho?

Identifique os problemas

Cada geração possui problemas diferentes que se refletem em sua maneira de agir profissionalmente. A geração Z, por exemplo, costuma ser mais pessimista e realista diante do futuro. São pessoas que se acostumam mais facilmente e sentem dificuldades diante de mudanças.

As pessoas da geração Y e Z são criativas e capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo, o que pode atrapalhar o foco no trabalho se isso não for bem aproveitado. Os mais jovens, cada vez mais conectados, enfrentam ainda problemas de interação social, preferindo se comunicar por detrás de uma tela.

Leve em conta o estilo de trabalho de cada um

Ao identificar esses problemas, o líder é capaz de entender melhor o estilo de trabalho dos colaboradores de cada geração e como lidar com eles.

Por exemplo: enquanto a geração X não gosta de ser monitorada em todo o seu trabalho, pois prefere entender os processos e construir por si próprios, a Y aprecia receber feedbacks. Ainda motivada pelo sentimento antiguerra, a X valoriza o trabalho em equipe — já as gerações Y e Z preferem agir isoladamente.

Entenda as suas expectativas

Um levantamento feito pela revista EXAME, com jovens de 23 países, revelou que quase 60% dos entrevistados sonham com um emprego que garanta qualidade de vida e ofereça um senso de propósito. Ou seja, oportunidades de fazer algo realmente relevante.

Esse aspecto mostra porque é tão comum que os jovens troquem de emprego tão facilmente em busca de desafios e crescimento profissional, enquanto os mais velhos passam décadas no mesmo lugar. Portanto, cabe ao líder identificar essas expectativas e motivar o trabalho de cada uma dessas gerações.

Estimule a comunicação e a integração

Segregar colaboradores por conta da sua idade, ou função, pode criar sérios conflitos no ambiente de trabalho. Diante de gerações tão distintas, é papel do líder agir como o elo entre esses grupos e estimular a comunicação.

O compartilhamento de opiniões entre liderados pode mostrar que não há uma geração melhor que a outra e trazer o melhor das características de cada uma para a sua empresa.

Liderar pessoas vs. gerenciar pessoas

Na definição dos dicionários liderança é a arte de comandar pessoas, sem deixar de atrair seguidores e  influenciar de forma positiva mentalidades e comportamentos. Ou seja, chegar a um cargo de gestão não te torna um líder. Para James Hunter “você gere coisas e lidera pessoas”. Um gestor se limita ao seu cargo e conhecimento técnico para exigir resultados, já um líder se aproveita dessa posição para motivar outras pessoas a seguir um determinado caminho.

Utilizando a história como exemplo, líderes que usaram a influência pessoal, a inteligência, o carisma e o espírito de lealdade entre os seus liderados são aqueles que conseguiram mudar o mundo. Nelson Mandela, Marthin Luther King, Napoleão Bonaparte e Alexandre, o Grande são exemplos que se destacam.

Pessoas que mesmo ao chegar a um cargo mais alto entendem que não são superiores a outras, que estimulam competências, compartilham o que sabem e ouvem mais os que estão ao seu redor, são as que o mercado e outros profissionais respeitam e valorizam. É por esses aspectos que a liderança possui um peso maior para as organizações, do que a simples gestão. Líderes são agentes de transformação. Gestores são só gestores.

Como ser mais produtivo?

Pessoas que ocupam cargos de liderança dificilmente conseguem se desconectar do trabalho ao chegar em casa, constantemente estendem o horário de fim do expediente, e, dificilmente, tiram as tão sonhadas férias anuais.

Para um líder, diante da responsabilidade da sua posição, é muito difícil dar conta de tantas responsabilidades, metas para cumprir e pessoas para conduzir, e ainda conseguir manter o foco no trabalho. Para ser mais produtivo, portanto, é preciso mudar hábitos não apenas profissionalmente. Confira algumas dicas:

  • Lidere a si mesmo, antes de liderar outras pessoas. Invista em tempo livre, horários de descanso e não descuide da sua própria qualidade de vida em prol das suas metas profissionais;
  • Evite ficar na cama até muito tarde, mesmo em dias livres, ou perder tempo precioso da sua manhã checando redes sociais e e-mails de trabalho. Reserve as primeiras horas do seu dia para tomar um café, um banho mais demorado ou passar mais tempo com a família. Isso ajuda a manter a mente mais relaxada e o corpo mais ativo;
  • Muitos líderes como Steve Jobs e Mark Zuckerberg usam o mesmo “uniforme” diariamente para evitar perder tempo. Isso parece estranho, mas faz muito sentido se você pensar em quantas horas e energia perde planejando qual roupa usar no dia seguinte ou tomando outras decisões irrelevantes. Elimine coisas complicadas do seu dia a dia e concentre-se no que é realmente importante;
  • Estabeleça critérios. Para um líder é essencial priorizar metas que devem ser cumpridas. Isso ajuda a não criar uma sobrecarga de atividades e a definir melhor os prazos para a execução;
  • Delegue tarefas. Sua equipe deve ser sua mão direita na resolução de tarefas, isso ajuda a diminuir a quantidade de atividades que você precisa realizar, demonstra confiança e estimula a manter a produtividade no que realmente é importante para fazer a sua empresa crescer;
  • Utilize a tecnologia como aliada. Tenha sempre em mãos um smartphone ou tablet com aplicativos que te ajudem a manter todas as suas metas, atividades e demandas escritas, organizar compromissos e facilitem a sua comunicação com a equipe. Evernote, Wunderlist e Google Agenda são alguns dos aplicativos essenciais para todo profissional. Tenha cuidado apenas com o uso das redes sociais. Uma simples “olhadinha” no Facebook pode levar horas e acabar com a sua produtividade;
  • Cria uma rotina saudável, com alimentação mais leve e prática regular de exercícios. Sete horas de sono e apenas 15 minutos de atividades diárias são capazes de aliviar tensões emocionais, liberar neurotransmissores que dão sensação de bem-estar, aliviar o estresse e a pressão do dia a dia no trabalho.

Como atingir as metas determinadas pelo CEO?

Todo líder precisa realizar tarefas que não aprecia tanto e cumprir as expectativas de outras pessoas, que geralmente vêm na figura de um CEO. Alcançar essas metas pode ser mais fácil com algumas dicas simples, como:

Deixá-las em um lugar visível

Escrever suas metas claramente em algum lugar visível te ajudará a relembrá-las mais facilmente e a dizer ao seu inconsciente quais decisões diárias você precisa tomar para realizá-las.

Analisar as suas áreas de controle

É um erro acreditar que se pode fazer tudo de uma vez só. Todos atuamos melhor em algumas frentes do que em outras. Definir as suas áreas de controle serve para manter uma visão clara sobre as suas competências e onde pode usá-las melhor para alcançar as metas. No mais, delegue tarefas para pessoas em que você confia.

Manter-se unido com a sua equipe

Essa dica é um importante complemento da anterior. Não adianta sobrecarregar colaboradores ou distribuir tarefas a pessoas que não possuem a formação, experiência ou habilidade para realizá-las e exigir resultados satisfatórios. É preciso envolver a sua equipe nas tomadas de decisões da empresa e distribuir tarefas de acordo com as suas competências.

Estabelecer critérios

Todo líder precisa estabelecer critérios para alcançar resultados. Especialistas em produtividade acreditam que as metas da empresa devem ser smart, ou “espertas” em inglês. Os critérios para que elas sejam realizadas devem ser específicos, mensuráveis, realizáveis, relevantes e ter um prazo definido.

Definir estratégias de ação

Não basta apenas ter uma meta como “dobrar o faturamento em um ano” sem estabelecer as estratégias de ação para alcançá-la — baseadas no porte da empresa, número de funcionários, atuação no mercado, dentre outros aspectos. O ideal é comprometer-se publicamente com essa meta, compartilhando com outros membros da equipe e fazendo um brainstorming regular com as melhores ideias para alcançá-la.

Mudar hábitos ruins

Se a sua empresa está há anos com o mesmo faturamento, não consegue aumentar a produtividade e falta inovação, então já passou da hora de fazer uma mudança na rotina do seu trabalho. O ciclo de um hábito nasce com um gatilho ou objetivo específico, mantém-se com uma série de ações rotineiras e gera uma recompensa, que é aquilo que inconscientemente desejamos.

Motive a sua equipe, mude pessoas de lugar, estabeleça novas funções, promova qualificação e tudo o que for possível para criar hábitos produtivos para alcançar o futuro que o CEO da sua empresa deseja.

Ser flexível

Se com o passar do tempo você perceber que as metas da empresa ainda estão longe de serem alcançadas, não tenha medo de fazer mudanças. Melhore o seu planejamento, mude o plano de ação e esteja aberto para ouvir críticas. Elas te ajudarão a tornar o seu trabalho melhor, inclusive como líder.

Conclusão

“Qual é o papel do líder nos resultados da empresa?” foi a pergunta-chave desse artigo. O líder possui o papel crucial e decisivo para alcançar as metas de uma empresa, mas a verdade é que ninguém nasce liderando.

A jornada para se tornar um vai muito além de um diploma ou uma promoção, ela envolve um processo de aprendizado, autoconhecimento, autoliderança, troca de valores e condução de pessoas em prol de metas comuns.

Esse panorama reforça a importância do líder servidor diante de um gestor tradicional. Ele é capaz de influenciar pessoas, de adaptar-se a mudanças e perfis distintos, e sabe que é impossível alcançar o sucesso sozinho. Diante de um mundo cheio de tantas pressões e competição, é justamente essa figura inspiradora que consegue tornar-se o agente de transformação que o mercado precisa.

Você deseja se tornar um líder servidor? Quer melhorar os resultados da sua empresa e lidar melhor com a sua equipe? Entre em contato com a gente e receba mais informações!

Deixe seus comentários abaixo

Xando Natsume
Xando Natsume
Gerar conteúdo de valor é a proposta desse blog. Queremos contribuir para o seu crescimento e transformação da sua vida pessoal e profissional, explorando temas e assuntos relevantes para mudança de comportamento e carreira.
Você também pode ler
como-motivar-uma-equipe-sem-gastar-muito21351
Como motivar uma equipe sem gastar muito?
o-que-e-a-gestao-participativa26943
O que é a gestão participativa?