Autoconhecimento Carreira Comportamento Produtividade

Zona de conforto: como sair da sua com sucesso

Young and smiling woman using smart phone on the colorful books in the dark interior background

A zona de conforto é definida pela Psicologia como um conjunto de ações, pensamentos e comportamentos mantido por um indivíduo que o coloca em uma situação livre de qualquer tipo de temor, ansiedade ou risco. Nessa condição, a pessoa executa rotinas que lhe garantem um desempenho constante, ao mesmo tempo em que reforçam a sensação de segurança. Há uma limitação. Por tudo isso, a lógica é clara: para realizar avanços em relação à performance e ao desenvolvimento tanto profissional como pessoal, sair dessa zona é essencial.

Na zona de conforto, atividades, hábitos e posturas se encaixam em um padrão capaz de minimizar o estresse e as ameaças. Em linhas gerais, o indivíduo se contenta com uma dose de felicidade regular, baixos níveis de pressão e de preocupação. Por esse prisma, o cenário parece nem ser tão negativo, não é mesmo?

O problema surge quando a zona de conforto passa a dominar e a ideia de sair daquele ambiente seguro provoca um sentimento de medo paralisante, impedindo o crescimento, atrapalhando a realização de sonhos e projetos, limitando o aprendizado e causando frustração. Vale adiantar que existem zonas de conforto em diferentes âmbitos, seja na esfera familiar, em relação à carreira, vinculadas ao interesse pelos estudos e até envolvendo relacionamentos.

No ambiente corporativo, muitas empresas já notaram que, com o passam do tempo, alguns colaboradores se sentem tão resguardados que acabam por apresentar rendimentos abaixo das expectativas. Deixam, consequentemente, de contribuir de maneira efetiva para o sucesso do negócio. E esse mesmo efeito pode ser notado no campo particular, quando não há motivação e participação ativa para manter os contatos pessoais e tornar a convivência em sociedade mais rica e agregadora. Melhor sair logo desse campo inerte, não concorda? Quer saber como? Pois basta acompanhar os próximos tópicos!

Por que você deve sair da zona de conforto?

A zona de conforto é construída por alguns componentes, sendo a constância das variáveis externas um dos mais importantes, já que leva o indivíduo a crer em uma estabilidade eterna. E é claro que essa sensação não corresponde à realidade. Outro fator responsável pela formação da zona de conforto é o medo da frustração, sentimento que faz com que os objetivos passem a ser cada vez menos ambiciosos, exatamente para eliminar as chances de fracasso. A combinação desses fatores gera comportamentos, decisões e ações capazes de garantir a eficiência necessária para atingir objetivos quase insignificantes.

Frente a tudo isso, a lei do mínimo esforço acaba sendo implementada no dia a dia do indivíduo, com a zona de conforto representando uma barreira psicológica que impede a busca por novos desafios. Sair dessa condição proporciona uma visão mais abrangente e otimista das possibilidades, além de ser caminho quase certo para a real satisfação em todas as esferas da vida — com o trabalho, a família, os relacionamentos e, principalmente, em relação a si mesmo.

Como curiosidade, vale ressaltar que a palavra conforto significa alívio da dor ou da fadiga e está associada a um estado prazeroso de harmonia (física e psicológica) entre o indivíduo e o ambiente. De fato, reflete a propensão humana de evitar os medos, a ansiedade, os desgastes e os conflitos. Em geral, boa parte das pessoas prefere estar em um território onde seja possível prever e controlar os acontecimentos, o que pode gerar uma ilusória sensação de segurança. Mas ainda precisa de um empurrãozinho? Então confira agora algumas razões para sair de vez da zona de conforto!

Aumento da produtividade

Estar na zona de conforto restringe drasticamente a produtividade, já que, nesse caso, também não há comprometimento com prazos, expectativas e metas. Além disso, falta vontade e ambição para realizar, experimentar e aprender, com muitos profissionais se prendendo a desculpas tradicionais para manter a rotina. E as alegações de sobrecarga de tarefas e falta de tempo só confirmam a resistência às mudanças. A produtividade está intimamente ligada à proatividade, à criatividade, à curiosidade e à persistência, postura que só é possível quando se está distante do comodismo e da prostração.

Administração de imprevistos

Os imprevistos costumam simplesmente apavorar quem está na zona de conforto, pois demonstram que as variáveis externas estão fora de controle. Para não entrar em pânico, você deve se manter aberto às novidades e compreender que falhas, problemas e dificuldades podem sim surgir. Dessa maneira, o indivíduo exercita sua capacidade de administrar casualidades, de improvisar e buscar novas soluções, fora dos padrões previamente estabelecidos.

Desenvolvimento da criatividade

Ao fugir do cotidiano, é possível adquirir outros conhecimentos, know-how, habilidades e experiências. E tudo isso favorece bastante o desenvolvimento do pensamento criativo, requisito cada vez mais valorizado no mercado de trabalho.

Definição de objetivos

Ao abandonar a sensação de segurança proporcionada pela zona de conforto, é possível enxergar novas possibilidades tanto para a carreira como para a própria realidade pessoal. Afinal de contas, tendo consciência da infinidade de alternativas disponíveis, contentar-se com uma vida limitada fica bem mais difícil. Emoção, motivação, engajamento e desafios precisam fazer parte do cotidiano das pessoas para que assim, naturalmente, objetivos mais audaciosos e estimulantes sejam traçados.

Realização verdadeira

A verdadeira realização só acontece quando o indivíduo assume a responsabilidade por suas decisões e se torna protagonista de sua existência. Para tanto, é fundamental manter a disciplina, acreditar em seus princípios, trabalhar a resiliência, administrar derrotas momentâneas, aperfeiçoar o poder de persuasão e valorizar cada oportunidade.

Movimento de transformação

As conquistas e as vitórias só chegam depois de muita dedicação, envolvendo boas doses de transpiração e inspiração. E, para que isso seja possível, é essencial sair da zona de conforto, aceitando que esse será um movimento difícil, complexo e cansativo, mas, acima de tudo, transformador. Assim surge o merecimento e, com ele, as tão esperadas recompensas.

Jornada de autoconhecimento

Abandonar a zona de conforto é um processo complicado, mas que promove crescimento tanto emocional como comportamental. Desde que a pessoa esteja determinada a provocar mudanças mais intensas em relação a atitudes, pensamentos e ações, será sim capaz de vislumbrar novos horizontes. Modificar as estruturas, romper os paradigmas e repensar conceitos são iniciativas necessárias para reconhecer vocações, talentos, preferências e aspirações. E por mais que esse processo de aprendizado seja longo, estabelece condições extremamente favoráveis para a grande (e necessária) jornada do autoconhecimento.

Confiança em si

Insistir na zona de conforto faz com que a falsa sensação de segurança se transforme em incômodo, desânimo e até mesmo em indignação pessoal com a própria apatia. E a inércia causa impactos negativos na autoestima, reduzindo significativamente a força de vontade e os níveis de energia interna. Por tudo isso e muito mais, essa ruptura também promove a autoconfiança e a certeza de estar se dedicando inteiramente ao próprio sucesso, a seu bem-estar e à sua felicidade.

Como identificar se está acomodado?

Basicamente, a permanência na zona de conforto é causada por 4 fatores principais. O primeiro é a preguiça, caracterizada por um estado de cansaço, desinteresse, depressão, ansiedade, culpa ou desmotivação. O segundo fator é a soberba, quando o indivíduo se sente tão completo que dispensa o aprendizado ou o qualquer tipo de aprimoramento — a arrogância e a imaturidade ajudam a compor esse perfil. O terceiro aspecto é o medo, seja do desconhecido, das incertezas, dos riscos e de não estar no controle da situação. O quarto fator é a miopia, ou seja, a falta de percepção sobre as consequências de algumas atitudes e comportamentos no médio e longo prazos.

Além disso, é preciso lembrar que existe uma diferença imensa entre estar satisfeito e estar acomodado. A satisfação consiste em, conscientemente, abrir mão de algumas coisas, não ter interesse em desbravar novos caminhos, acreditar que alcançou seus objetivos e, ainda assim, sentir-se plenamente feliz. Já a acomodação apresenta outras peculiaridades, mantendo a pessoa presa à zona de conforto, mesmo contra sua vontade. Geralmente, seus sintomas envolvem tristeza passageira, arrependimentos, dúvidas, irritação e inquietação. Por apresentar tantas nuances, é importante realizar uma autoanálise sincera, responder a algumas questões delicadas, para identificar o nível de acomodação. Veja que itens devem ser avaliados:

A vida

Muitas pessoas simplesmente não encontram um sentido real para a vida, um propósito, uma missão. Por isso, acabam estagnadas, dentro da tal zona de conforto. Freud acreditava que o maior agente causador da infelicidade é o desencontro entre mente e coração, sabia? Isso porque, quando não há um consenso entre a razão e a emoção, fica difícil enxergar possibilidades e alimentar a automotivação.

A procrastinação

Por mais que mentir para si mesmo seja uma das posturas mais irracionais que o ser humano é capaz de ter, muitos indivíduos insistem nesse ciclo, lançando mão de justificativas completamente inventadas. Nesse caso, a procrastinação se torna constante, adiando decisões importantes e o início de novos projetos. Fique atento à síndrome da segunda-feira, um forte sinal de acomodação.

A injustiça

É preciso entender que, na verdade, não adianta nomear culpados. E esse é um dos sintomas que as pessoas têm mais dificuldade em aceitar. Seja o gestor que não reconheceu seu talento, o mercado que está saturado, os subordinados que não são suficientemente competentes, a falta de suporte da família ou as dificuldades financeiras: as mudanças só acontecem quando o indivíduo deixa de lado a postura de injustiçado e começa a agir, com foco e perseverança. Percalços do cotidiano são sempre usados como desculpas por quem vive uma vida de pretextos. Por isso, é preciso procurar soluções em vez de se amarrar a argumentações.

A resignação

Frases como as coisas são assim mesmo ou não há o que fazer indicam não apenas acomodação como uma resignação absoluta. Lembre-se de que a letargia é extremamente perigosa, sem contar que, especialmente em um ambiente corporativo, acaba se espalhando rapidamente, até que todos se tornem meros executores de tarefas.

A desistência

Realizar sonhos e projetos não é tarefa simples, exigindo muita paciência e persistência. Por isso, não é nada raro chegar a um ponto, depois de muitas tentativas frustradas, de se pensar seriamente em desistir. Para pessoas acomodadas, esse momento geralmente chega mais rápido, destruindo todas as possibilidades de avanço.

Quais são os passos para sair da zona de conforto?

Ao mesmo tempo em que é desastrosa, a zona de conforto pode ser quase irresistível. E para fugir da tendência de escolher o caminho mais fácil e conhecido, é preciso interromper ciclos viciosos e improdutivos, a fim de dar início a algo novo e desafiador, que exija autodisciplina, motivação, comprometimento e esforço. Sair da zona de conforto é mesmo um processo de aprendizado e de transformação pessoal que demanda foco, firmeza e, principalmente, convicção. E para vencer todos os obstáculos com mais facilidade, que tal um passo a passo? Veja como alcançar esse objetivo:

Aposte no autoconhecimento

O autoconhecimento é determinante nessa trajetória, afinal, só por meio da percepção das próprias limitações, fraquezas, fortalezas, prioridades e valores é possível abandonar a acomodação, estabelecer objetivos, desenhar um plano de carreira realmente eficiente e conquistar mais liberdade e satisfação. Nesse sentido, o coaching é uma ferramenta bastante útil.

Invista na preparação

A preparação é fundamental para o desenvolvimento. Assim, o estudo, a capacitação, o empenho, a avaliação e a reavaliação são indispensáveis para sair da zona de conforto. Um indivíduo qualificado pode se tornar um profissional mais competente e até uma pessoa mais culta e engajada a causas relevantes, passando a também ser capaz de contribuir com a sociedade de forma mais intensa e contundente. Nesse sentido, cursos de especialização, graduação e pós-graduação são importantes, bem como a participação em palestras, seminários, feiras e grupos que apoiem ações sociais. E aí é preciso se lembrar do networking, até porque retomar os contatos com outros profissionais também ajuda a deixar a zona de conforto para trás.

Proponha desafios

Já que é preciso adicionar diferentes estímulos ao dia a dia, lançar desafios faz parte integral desse processo. Novos projetos, tarefas ou rotinas devem ser pensados, assim como a possibilidade de dar início a atividades variadas. Encarar a academia, começar a praticar yoga, investir em aulas de gastronomia ou procurar um trabalho voluntário com o qual se identifique são iniciativas muito bem-vindas.

Supere os medos

A superação dos medos é uma etapa essencial para se sair da zona de conforto e alcançar a felicidade no trabalho e na vida pessoal. Para isso, é preciso identificar temores e suas causas, para então enfrentá-los. Treinamentos direcionados, práticas, vivências, terapia e, novamente, o coaching podem gerar resultados incríveis.

Promova mudanças

Como você já viu, as mudanças são mais que necessárias e podem acontecer de diversas formas. É possível começar com ajustes mais simples, como na decoração da casa ou do escritório, substituindo objetos e liberando a criatividade. Vale lembrar que, influenciando o ambiente, as emoções logo sentem a diferença. Depois, é importante modificar alguns hábitos que, de alguma forma, freiem as decisões, o desenvolvimento do pensamento e as ações. Reorganizar a agenda, revisar os horários, elaborar pesquisas, estudar novos assuntos, assumir responsabilidades e, em especial, cuidar do planejamento são bons exemplos de como modificar o clima e o cotidiano.

Adote uma atitude positiva

Uma atitude positiva e colaborativa é imprescindível para largar a zona de conforto. É preciso demonstrar capacidade de interação, de comunicação e de persuasão. Outras posturas também são esperadas, como o bom humor, a gentileza e a coletividade. Assim é mais fácil se sentir parte integrante do grupo, o que reforça o sentimento de segurança e aceitação. Além disso, é importante dar voz às próprias ideias e opiniões, compartilhar conhecimentos e informações, além de explorar a inventividade e a criatividade.

Esqueça o comodismo

É até razoável que o comodismo apareça juntamente com a falta de estímulo ou quando as atividades passam a ser operacionais, exigindo muito pouco do indivíduo, não acha? O problema é que essa situação pode acabar gerando o insucesso e o descrédito profissional. Por isso, nesse caso, é fundamental reestruturar as rotinas, trazendo de volta o dinamismo e o entusiasmo às tarefas do dia a dia. Não se esqueça, afinal, que estar fora da zona de conforto significa ser mais questionador, crítico, observador, proativo e engajado aos próprios objetivos.

Como se manter fora dela?

Algumas atitudes são fundamentais para manter qualquer indivíduo longe da zona de conforto, tendo todas um traço em comum: determinação. Só assim para evitar deslizes e novas fases de estagnação. Saiba o que fazer:

Valorize o próprio talento

A valorização pessoal fortalece a autoconfiança e permite que o indivíduo explore todo seu potencial. Nesse quesito, o autoconhecimento é absolutamente necessário tanto para identificar as habilidades, competências e aptidões como também para perceber as fraquezas que precisam ser trabalhadas. Tal processo diminui as chances de se fazer avaliações equivocadas a respeito do talento pessoal.

Invista no aprendizado contínuo

O aprendizado contínuo engloba uma série de conhecimentos técnicos, gerenciais e comportamentais que podem colaborar bastante para o crescimento profissional. Cursos específicos, idiomas, tecnologias, leituras e conteúdos on-line são importantes para manter a mente aberta ao aprendizado, além de garantir a atualização perante os acontecimentos que envolvem o mercado e o mundo.

Participe de grupos de estudo

Os grupos de estudo também permitem a troca de opiniões e experiências, facilitando o networking e permitindo a construção de uma visão mais abrangente sobre diversos temas. E como esses grupos incentivam o pensamento, o questionamento e a pesquisa, são fundamentais para quem não quer voltar para a zona de conforto.

Fuja dos sabotadores

Pequenos vícios, comportamentos negativos e atitudes restritivas têm o poder de destruir carreiras, relacionamentos e negócios, além minar a felicidade, o bem-estar e a satisfação pessoal. Os sabotadoresprecisam ser vencidos. Para tanto, o primeiro passo consiste em reconhecer as forças subconscientes que mantêm as pessoas acorrentadas a velhos hábitos e conceitos, impedindo mudanças verdadeiramente positivas. Os sabotadores internos surgem na forma de resistência, medo e dúvida durante o processo de aprendizado e evolução. Mas existem também os sabotadores externos, aqueles indivíduos pessimistas, inseguros ou gananciosos que contaminam o ambiente e todos que estão à sua volta. Podem ser familiares, amigos, colegas de trabalho ou até mesmo líderes negativos, que muitas vezes sequer compreendem os danos causados por sua postura limitante.

Revise seus planos com frequência

Tanto os planos de carreira como os pessoais devem ser revisados com alguma frequência, sempre com a intenção de manter sua efetividade. Afinal, todo profissional está sujeito a propostas inesperadas, surpresas e percalços. Da mesma forma, é normal que, com o passar dos anos, o ranking de prioridades sofra alterações. A ambição por cargos pode ser substituída pelo desejo de ter mais tempo com a família, por exemplo, ou o espírito empreendedor pode ganhar mais força, fundamentado em valores e crenças. Todas essas variáveis precisam ser consideradas. E ajustes no planejamento original são sinais de uma conscientização resultante do autoconhecimento e do respeito às próprias vontades.

Gerencie melhor o tempo

O adequado gerenciamento do tempo é outro fator importante para que o indivíduo se mantenha fora da zona de conforto. Nesse caso, é essencial contar com a organização e com a disciplina para otimizar a rotina. Existem diversas metodologias simples que podem ser empregadas com sucesso, além de softwares e aplicativos de gerenciamento de informações que oferecem muitas funcionalidades, como agendas e calendários on-line, criação de listas de tarefas, acompanhamento das pendências, definição de prioridades e até mesmo delegações. Vale fazer uma pesquisa e passar logo para os testes!

Fique de olho no bem-estar

Outro detalhe a ser considerado está relacionado à saúde e ao bem-estar de modo geral. A prática de atividades físicas regulares e uma boa alimentação são fatores que beneficiam a produtividade, pois garantem mais disposição e energia para as tarefas diárias. Que tal investir em um esporte para manter o corpo em movimento? O acompanhamento de nutricionistas pode ser muito benéfico, pois além de garantir uma orientação correta, possibilita também o contato com outras pessoas — lembrando que o convívio em sociedade é necessário tanto para promover a coletividade e a colaboração como para incentivar o pensamento criativo e crítico, essencial para quem quer permanecer longe da zona de conforto.

Ao sair da zona de conforto, o indivíduo aumenta consideravelmente a probabilidade de ser verdadeiramente feliz. A sensação de superação sustenta o processo de aprendizado contínuo e reforça a motivação interna. Por isso, é preciso buscar desafios constantemente, sempre com foco no crescimento profissional e pessoal. Nesse sentido, vale a pena se dedicar a novos conhecimentos e experiências, seja um outro idioma, música, dança, fotografia ou gastronomia, bem como a mudança de cidade, de emprego ou até de carreira. É claro que todas essas possibilidades devem gerar um pouco de nervosismo, mas acima de tudo provocam entusiasmo. Para tanto, é preciso deixar para trás as crenças limitantes, os medos, os sabotadores e as ameaças inconscientes, que restringem a evolução, o desenvolvimento e a prosperidade, dando lugar à curiosidade, à inventividade e, principalmente, à vontade de encontrar satisfação e alegria em todas as etapas da vida.

Quer saber mais sobre desenvolvimento pessoal e profissional? Não perca mais tempo: assine já a nossa newsletter!

Deixe seus comentários abaixo

Xando Natsume
Xando Natsume
Gerar conteúdo de valor é a proposta desse blog. Queremos contribuir para o seu crescimento e transformação da sua vida pessoal e profissional, explorando temas e assuntos relevantes para mudança de comportamento e carreira.
Você também pode ler
70745-o-que-procurar-em-um-treinamento-para-executivos
O que procurar em um treinamento para executivos?
46844-gestao-de-conhecimento-6-dicas-para-aplicar-em-sua-empresa
Gestão de conhecimento: 6 dicas para aplicar em sua empresa